terça-feira, 31 de março de 2020

Apartamentos studio disparam na preferência de quem vai morar e investir

Não é de hoje que o apartamento studio vem se destacando no mercado brasileiro e, particularmente, no da cidade de São Paulo. Dados do Secovi-SP mostram que, de 2004 a 2018, na contramão dos outros tipos de empreendimentos, a participação das unidades com menos de 45 metros quadrados de área útil (os chamados studios) no total de lançamentos residenciais na cidade saltou de 4% para 62% - ou de 806 para mais de 20 mil empreendimentos.
Na mesma linha, uma pesquisa do portal Viva Real mostra que, nos últimos 10 anos, o número de  apartamentos  studio  lançados na capita paulista, mais que dobrou. “Esse tipo de imóvel praticamente não sentiu os efeitos da última crise. Há exemplos de empreendimentos que foram lançados, e muitas vezes vendidos em questão de dias, mesmo nesse período, praticamente sem descontos de preço, explica Sérgio Castelani, economista do Grupo Zap.
“Esse tipo de imóvel praticamente não sentiu os efeitos da última crise”
Uma das explicações para esse fenômeno pode estar no fato de que os imóveis à venda de um dormitório têm apresentado uma excelente performance num indicador-chave do ponto de vista da liquidez: as chamadas VSO (Vendas Sobre Oferta). Segundo o Secovi-SP, o índice foi de, respectivamente, 6,7% e 13% em 2017 e 2018, um dos mais altos entre as categorias analisadas. O VSO indica a proporção de unidades vendidas em relação ao total de disponíveis e é, em última análise, um indicativo de que um imóvel pode ser um bom investimento.

Demanda aquecida

O diretor da Panser Serviços de Crédito Imobiliário, Luís Paulo Serpa, observa que a demanda por esses imóveis é maior pelo próprio fato de serem mais baratos em termos absolutos e terem, por definição, um maior número de compradores em potencial. Isso, por sua vez, implica maior liquidez, reforçando o interesse de investidores e criando uma espécie de “círculo virtuoso”.
Luís Paulo explica que, do ponto de vista de estratégia de investimento, é mais interessante, digamos, adquirir três imóveis de R$ 300 mil para locação do que um de R$ 900 mil. Afinal, numa situação de emergência em que seja necessário fazer caixa, vender um imóvel mais barato tende a ser mais fácil e mais rápido.
A mesma lógica vale para imóveis comprados na planta que serão, depois, revendidos: mais liquidez significa menos dinheiro parado.
Voltando ao exemplo do investimento para locação, no caso de um dos três imóveis ser desocupado, o proprietário terá uma taxa de vacância de 30% - com custos proporcionalmente mais baixos de condomínio e outras despesas que no caso de a unidade de R$ 900 mil ficar vazia.
Ele explica, ainda, que os lançamentos de apartamentos compactos  têm se concentrado em áreas com boa oferta de serviços de transporte público, o que, por sua vez, tende a atrair um público mais jovem, que, em geral, valoriza a facilidade de deslocamento. “É um público que, muitas vezes, já adquire a unidade tendo em mente que, se for necessário, irá vendê-la para se mudar para um imóvel mais próximo de um novo emprego. Por isso, a questão da liquidez é importante”.

quinta-feira, 12 de março de 2020


5 dicas de como se destacar no mercado imobiliário


Possuir técnicas de vendas imobiliárias também é primordial, seja você o dono, o gerente ou o vendedor — para isso, vale a pena investir na formação e na educação pessoal dos seus profissionais.
Para as imobiliárias que buscam sobressair ao mercado, é preciso dar um passo além do senso comum, preparando seus profissionais para realizar uma gestão de vendas, num processo maior do que a concretização do contrato em si, fidelizando os clientes para negócios futuros, fazendo amigos e pessoas que confiam no seu trabalho e que vão levar essa confiança adiante.
Para isso, alguns pontos são importantes, principalmente conhecer e transparecer essa confiança e organização para o seu cliente, demonstrando que você, seu negócio e seus funcionários estão alinhados ao que há de melhor no mercado e suas constantes transformações. Mas como chegar lá? Veja as nossas dicas a seguir.
[rock-convert-cta id=”339″]

1. Faça um anúncio do imóvel encantador

O primeiro passo é atrair interessados, possíveis clientes. E para isso, o anúncio do seu imóvel é o ponto central. Para se destacar, é preciso fazer um anúncio que encante. Esse ponto, inclusive, é uma das fraquezas da maioria dos negócios imobiliários, portanto, faça diferente.
O comprador precisa ter no anúncio uma perspectiva completa do imóvel, que o deixe interessado em fazer uma visita pessoal. Para isso, descreva em detalhes o seu produto. Dados básicos como metragem, número de cômodos — salas, quartos, banheiros —, vagas na garagem, precisam estar combinados com as vantagens do espaço.
Os diferenciais precisam estar no anúncio. Quais os aspectos que se destacam no bairro em que está localizado o imóvel, ou as opções de lazer do condomínio, o que há de interessante nas adjacências, as facilidades (escolas, hospitais, parques, restaurantes, transporte público). Explore no anúncio o que faz do seu imóvel especial.
Também é preciso combinar o texto com imagens de qualidade. Capriche nesse ponto para deixar uma visão positiva do imóvel no quesito visual. Para sua imobiliária se destacar, é preciso considerar a contração de um fotógrafo ou, ao menos, de uma câmera de qualidade. Nas fotos, é preciso dar a impressão de profundidade do imóvel, oferecer a perspectiva daquele ambiente. A iluminação e o enquadramento fazem toda a diferença. Pense nisso.

2. Crie um ótimo relacionamento com os clientes

Com um bom anúncio, o interesse vai aparecer. É a hora de transformar interessados em clientes, aproximando a relação. Nesse momento, você deve transmitir confiança, organização e conhecimento sobre o imóvel que está vendendo. O primeiro contato presencial é quando se estabelece a relação com o cliente, por isso, corretor precisa se portar com transparência e ética, explicando com segurança sobre qualquer dúvida que possa surgir.
Para criar laços com os clientes, é preciso saber ouvir, sondar as suas necessidades, deixar que ele as expressem e, então, oferecer soluções. Do contato com o cliente se depreende informações pessoais, seus desejos, estilo de vida, e as características que está buscando num imóvel, ou seja, informações de extremo valor.
Também agrega valor ao relacionamento com o cliente a acessibilidade da imobiliária e do corretor. Seja com uma data, horário, via telefone, e-mail, mensagens de texto, mostrar disposição e preparo são os pontos que aproximam a relação em busca de um negócio.

3. Capriche na visita aos imóveis

A visita no imóvel pode acontecer para a captação de um cliente ao conhecer o espaço e o imóvel que ele pretende negociar, ou a visita junto ao cliente para que ele conheça o ambiente pessoalmente. Nesses dois casos, a primeira interação é um momento crucial no posicionamento da imobiliária diante do mercado.
Uma boa imobiliária precisa ser capaz de captar imóveis diversos e de qualidade, conhecendo seu potencial para então valorizar o aluguel ou a venda. Para isso, é preciso conhecimento da equipe, o conhecimento do mercado, dos imóveis, e das características que podem ser destacadas. E é preciso demonstrar esse conhecimento na visita aos imóveis.
Bons relacionamentos fazem a diferença. Conhecer pessoas e estar envolvido em diversos setores da sociedade suscitam oportunidades de negócio, seja para divulgar o trabalho ou conseguir novos imóveis para a sua carteira.

4. Divulgue o trabalho da sua imobiliária

Se você quer se destacar no mercado e não conhece o marketing imobiliário, precisa ler agora mesmo o nosso artigo sobre esse assunto. Atualmente, uma imobiliária de destaque precisa ter uma sólida presença digital. A ideia é mostrar ao seu cliente sua marca, seu produto, suas qualidades, para que ele, então, ele se interesse e chegue até você, criando mais oportunidades de negócios.
Marque sua presença nas mídias digitais. É possível, por exemplo, criar páginas nas redes sociais, um site, criar um portfólio online, e também usar das plataformas de venda disponíveis. O ponto aqui é levar a experiência oferecida pela sua imobiliária para o mundo digital.
Hoje em dia, há diversas ferramentas — desde recursos para gestão imobiliária digital como softwares, sites para vendas, aplicativos para corretores, integração com plataformas de marketing e vendas, formas de destacar o seu negócio nas ferramentas de buscas do Google, entre outros.

5. Faça o melhor pós-venda

O pós-venda é mais um ponto que seu negócio pode se destacar e se distanciar da concorrência no mercado imobiliário. Um negócio fechado — seja venda ou aluguel — não acaba depois que os papéis sejam assinados e o cliente esteja morando no imóvel.
Ele escolheu sua empresa, e você precisa valorizar essa escolha dando todo o suporte pós-venda, pois nesse momento você será capaz de fidelizar a clientela e gerar mais valor para o seu negócio. Para um pós-venda de qualidade, auxilie nas pendências do imóvel, ofereça soluções e serviços em parceria, como chaveiro, encanador, eletricista, facilidades para ajudar na adaptação do cliente ao imóvel.
Com essas dicas e acompanhando as mudanças do mercado, especialmente na internet, você será capaz de posicionar o seu negócio com destaque no mercado imobiliário.
Agora que você já sabe como se destacar no mercado imobiliário, é hora de no Facebook e Instagram para não perder nenhuma novidade sobre oportunidades de negócios online!

quinta-feira, 5 de março de 2020


Carreira que liderava   ranking  de insatisfação vira 1ª em qualidade de vida
Exclusivo: confira o ranking dos profissionais com melhor percepção de qualidade de vida no trabalho, segundo o índice divulgado pela Sodexo
São Paulo – Há um ano, os corretores de imóveis eram os mais insatisfeitos no trabalho, segundo o monitoramento feito pela Sodexo por meio do Índice Qualidade de Vida no Trabalho (IQVT), medido no segundo trimestre de 2018. Hoje, essa mesma categoria é líder de satisfação profissional, de acordo com os dados coletados no segundo trimestre de 2019 com mil pessoas, e obtidos com exclusividade para EXAME.
A virada na percepção da experiência de trabalho é atribuída à melhora no mercado imobiliário, segundo Fernando Cosenza, vice-presidente de marketing da Sodexo Benefícios e Incentivos, responsável pela ferramenta online e gratuita que mede a satisfação profissional por meio de teste que dura alguns minutos. “O setor está apresentando uma retomada”, diz Fernando Cosenza, vice-presidente de Marketing da Sodexo Benefícios e Incentivos.
No país, a Câmara Brasileira da Indústria da Construção registrou avanço de 9% nas vendas e de 4% nos lançamentos residenciais no primeiro trimestre. Em São Paulo, pesquisa do mercado imobiliário realizada pelo Secovi -SP (Sindicato da Habitação) mostrou que, no acumulado de 12 meses (junho de 2018 a maio de 2019), o número de unidades habitacionais comercializadas teve aumento de 19,5% em relação ao mesmo período anterior (junho de 2017 a maio de 2018).
Se depender do que projeta o sindicato, os corretores podem continuar a sorrir, sobretudo em São Paulo. A estimativa do Secovi-SP é que o mercado encerre 2019 com número de unidades lançadas entre 37 mil e 41 mil, o que representa estabilidade ou alta de até 10% em comparação com 2018, quando foram 37 mil.
·          
Ranking traz estagiários e executivos também entre os mais satisfeitos
O índice de qualidade de vida vai se zero a 10 e a nota geral do segundo trimestre foi de 6,31 pontos, um aumento de 6,7% em relação ao mesmo período no ano passado (5,91 pontos).
No ranking de profissões, os corretores de imóveis, os mais satisfeitos com a experiência no trabalho (7,70 pontos), são seguidos por estagiários (7,17 pontos), e executivos em cargos de presidência/diretoria/gerência (7,09 pontos):
1. Corretores de imóveis: 7.70 pontos
2. Estagiários 7.17 pontos
3. Profissionais em cargos de presidência/diretoria/gerência: 7,09 pontos
4. Profissionais em cargos de coordenação/supervisão: 6,40 pontos
5. Empregados de áreas executivas: 6,32 pontos
6. Profissionais da área de serviços de apoio administrativo: 6,15 pontos
7. Professores: 5,85 pontos
8. Outros: 5,66 pontos
9. Empregados de áreas de fabricação: 5,41 pontos
10. Empregados do setor de serviços: 5,36 pontos
O índice mostra que a satisfação é maior entre os profissionais da região Sul (6,51 pontos), seguida pelos respondentes do Nordeste (6,44 pontos) e do Centro-Oeste (6,24 pontos). Sudeste e Norte são as regiões que concentram os profissionais menos satisfeitos com índices de 5,91 e 5,86, respectivamente.
A alta no índice geral de qualidade vida é uma resposta à leve melhora no cenário de emprego, mas a redução da previsão e crescimento da economia divulgada pelo Banco Central limita investimento das empresas e consequentemente afeta o ambiente de trabalho.
“A satisfação com itens relacionados ao reconhecimento dos funcionários, como bônus e benefícios que recebem além do salário continuam muito baixos, coincidindo com o mesmo período de 2018, em que esta dimensão da qualidade de vida também obteve a nota de satisfação mais baixa dos entrevistados, explica Cosenza.


quarta-feira, 4 de março de 2020

NÃO SEJA PRATICANTE DO "PAPO DE CORRETOR"

Separamos algumas dicas que vão te ajudar a eliminar o amadorismo e encantar de vez o seu cliente!
Não seja praticante do "Papo de Corretor"
Tenho certeza que você já deve ter escutado essa expressão, que é colocada muitas vezes de forma pejorativa. O chamado “papo de corretor” remete ao conceito de que o (a) corretor (a) pode estar de “papo furado”, como se quisesse enrolar o cliente só com o objetivo de fazer sua venda e nada mais. No entanto, sabemos que nem todos os corretores são iguais.
Com a inclusão de um capitulo destinado à corretagem no Código Civil (Lei 10.406/02, artigo 722 a 729), criou-se um alto grau de responsabilidade aos corretores de imóveis por seus atos profissionais, dando aos clientes o direito de contestarem em juízo os eventuais danos que sofrerem por atos cometidos pelo corretor que ofendam os princípios legais.
Com o passar dos anos surgiram também os cursos de especialização, faculdades de gestão imobiliária, além de diversos cursos de especialização. Por isso, é muito importante que todos os corretores estejam antenados e sempre se reciclando, a fim de eliminar tudo aquilo que faz com que sejam taxados pelos clientes como aqueles profissionais que utilizam o “papo de corretor”.
Pensando nisso, separamos algumas frases bem clichês que você deve evitar em sua prática diária, afim de eliminar o amadorismo e encantar de vez o seu cliente.
“Vai ser fácil conseguir o financiamento com essa documentação” – Não adianta dizer que vai ser fácil, é preciso levar tudo até o agente financeiro e aguardar a total aprovação do processo antes de fechar algum compromisso ou receber algum sinal.
“Pode confiar que a documentação está em ordem” – A documentação tem que ser mostrada ao cliente, para que ele se certifique disso, ou mostre ao seu advogado de confiança;
“Tem que dar logo o sinal para garantir o imóvel” – Você deve informar ao interessado antes de qualquer sinal como está a documentação do imóvel, partindo do pressuposto que já analisamos todas as certidões dentro da sua validade, além das obrigações descritas no código civil;
“O imóvel está com inquilino, mas ele sairá imediatamente” – Qualquer inquilino só sai do imóvel por acordo, caso contrário só por ação de despejo, o que cria embaraços. Sem contar que deve se analisar se foi respeitado o direito de preferência;
“Só falta concluir o inventário” – O comprador, na maioria das vezes, não sabe como funciona um inventário, assim sendo, ele precisa de mais detalhes, para que seu advogado analise a situação. Via de regra esses casos são de resolução demorada;

terça-feira, 3 de março de 2020

IMPOSTO DE RENDA 2020.

Quem deve declarar.

  • Deve declarar o IR neste ano quem recebeu rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2019. O valor é o mesmo da declaração do IR do ano passado.
  • Contribuintes que receberam rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40 mil no ano passado;
  • Quem obteve, em qualquer mês de 2019, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas;
  • Quem teve, em 2019, receita bruta em valor superior a R$ 142.798,50 em atividade rural;
  • Quem tinha, até 31 de dezembro de 2019, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil;
  • Quem passou à condição de residente no Brasil em qualquer mês do ano passado e nessa condição encontrava-se em 31 de dezembro de 2019;
  • Quem optou pela isenção do imposto incidente em valor obtido na venda de imóveis residenciais cujo produto da venda seja aplicado na aquisição de imóveis residenciais localizados no país, no prazo de 180 dias, contado da celebração do contrato de venda.